Gravidez ectópica... Quando um óvulo fertilizado se implanta fora da cavidade uterina

Quando um óvulo fertilizado se implanta fora da cavidade uterina, a gravidez denomina-se ectópica

A gravidez ectópica acontece maioritariamente quando o embrião se implanta numa das Trompas de Falópio. Contudo, em alguns casos a implantação do embrião pode ocorrer no ovário, no canal cervical ou em qualquer outro local da cavidade abdominal.

Algumas mulheres com uma gravidez ectópica têm os sintomas comuns a qualquer gravidez normal – náuseas, vómitos, aumento dos seios. No entanto, outras podem não se aperceber de que estão grávidas porque após alguns dias – cerca de uma semana – após a primeira falta, têm um pequeno sangramento vaginal, em alguns casos, com um tom mais acastanhado, que confundem com o período menstrual.
A gravidez ectópica é causada frequentemente por uma obstrução que atrasa o percurso de um óvulo fecundado através das trompas de Falópio até ao útero. Muitas vezes causada por uma endomiteriose, por um defeito congénito nas trompas de Falópio ou por uma anterior gestação. Entre outros prováveis factores, podem ainda considerar-se a idade materna superior a 35 anos ou até a uma gravidez com um dispositivo entra-uterino – DIU – colocado.

Sintomatologia
Em geral, mesmo que inicialmente a mulher tenha os sintomas próprios de uma gravidez normal, a gravidez ectópica é acompanhada de outros sintomas, a que qualquer grávida deve estar alerta, para que se dirija ao seu médico, caso venham a ocorrer.
Entre eles destacamos o sangramento vaginal, as cólicas num dos lados da pélvis, dor na parte inferior do abdómen ou na zona da pélvis. Estes sintomas podem ainda ser acrescidos de desmaios ou sensação de desmaio, hipotensão, pressão forte no recto ou dores súbitas e fortes no abdómen.
Em qualquer dos casos, se a grávida tiver algum destes sintomas, deve de imediato dirigir-se ao seu médico para que ele possa fazer um diagnóstico correcto e proceder ao tratamento. Dado que, como dissemos anteriormente, a gravidez ectópica pode estar localizada em diversos locais, passamos a descrever cada um dos mais prováveis:
Gravidez na Trompas de Falópio
A grande maioria das gravidezes ectópicas resultam da implantação do óvulo fecundado nas trompas. Todavia, este tipo de gravidez pode ainda diferenciar-se dependendo do local das trompas onde o blastocisto – óvulo fertilizado – se implantou.
Assim consideraremos como Gravidez Ectópica Intersticial aquela em que a implantação ocorre no trajecto intra-mural da trompa. As gravidezes ntersticiais são as que rompem mais tardiamente, uma vez que esta porção das trompas uterinas está envolvida por miométrio, que lhe confere uma maior capacidade de distensão, permitindo assimo desenvolvimento da gravidez.
A gravidez ectópica na zona ampular das trompas pode considerar-se percentualmente a mais levada e menos grave (representa cerca de 80% das gravidezes ectópicas), dado que, regra geral o embrião não tem a possibilidade de se desenvolver muito e os sintomas aparecem mais rapidamente. A gravidez ectópica fimbrial representa cerca de 5% das gravidezes ectópicas e tal como a gravidez na zona ampular, pode considerar-se menos grave que a gravidez intersticial e, também, de sintomatologia mais rápida.
Gravidezes raras
Cerca de dois por cento das gravidezes ectópicas podem desenvolver-se nos ovários, no colo uterino ou na zona intra-abdominal. Contudo, percentualmente o valor é tão baixo que se podem considerar casos raros. Também raros são os casos de Gravidez Heterotópica e numa grande percentagem dos casos, o feto que está implantado no útero tem possibilidades de se desenvolver de forma saudável.
A gravidez heterotópica acontece quando após dois óvulos fecundados, um dele faz a sua implantação natural no útero, enquanto o outro ficou pelo caminho e se implanta ao longo do percurso.
Detecção e diagnóstico
A dor pélvica ou abdominal é o sintoma mais comum e usualmente é acompanhada de uma hemorragia vaginal anormal. Esta hemorragia ocorre quando o embrião começa a crescer, e causa uma ruptura por não estar implantado no útero. Em simultâneo com a dor, pode ocorrer a taquicardia, a hipotensão e a sensibilidade dos movimentos cervicais. Apenas 10% das gravidezes ectópicas são diagnosticadas antes da ruptura.
Testes de gravidez positivos associados a uma ecografia transvaginal permitem o diagnóstico. Um embrião que se implante fora da cavidade uterina não conseguirá sobreviver, pelo que é essencial que se erradique do organismo materno, pois se permanecer implantado poderá conduzir a hemorragias intensas e até mesmo à morte da progenitora. O tratamento da gravidez ectópica é essencialmente cirúrgico mas, em certas circunstâncias, podem ser utilizados citostáticos.

Texto: Maria Martins
Revisão científica: Dra. Madalena Barata, Directora do Centro de Medicina da Reprodução do British Hospital-Lisbon XXI

fonte:sapo

Sem comentários:

Enviar um comentário